Overblog Suivre ce blog
Editer l'article Administration Créer mon blog

 

No principio ou no fim
Abril soe ser ruim

Abril frio,
Pão e vinho

Do grão te sei contar,
Que em Abril não hade estar nascido,
Nem por semear

Por todo Abril
Mau é descobrir

Frio d’Abril
Nas pedras vae ferir

Altas ou baixas
Em Abril veem as Paschoas

Não é cada dia
Paschoa nem vindima

Não ha Entrudo sem lua nova,
Nem Paschoa sem lua cheia

Se a Paschoa é a assoalhar,
E’ o Natal atrás do lar ;
Se a Paschoa é atrás do lar,
E’ o Natal a assoalhar

A rez perdida
Em Abril cobra vida

Por Abril
Dorme o moço ruim,
E por Maio
O moço e o amo

Em Abril,
Guarda o gado
E vae onde tens de ir

No tempo do cuco
Tanto está molhado como enxuto

Em Abril aguas mil
Coadas por um mandil

Em Abril aguas mil
Coadas por um funil

Em Abril aguas mil
Coadas por um pandil

Em Abril aguas mil,
Em Maio tres e quatro

A ti chova todo o anno
E a mim chova Abril e Maio

As manhãs d’Abril
São doces de dormir

Somno d’Abril
Deixa-o a teu filho dormir
  Somno d’Abril
Deixa-o a teu filho dormir,
E o de Maio
A teu cunhado

Se não chove em Abril
Perde o lavrador o carro e o carril

Se não chover entre Maio e Abril
Dará el-rei o carro e o carril
Por uma fogaça e um funil ;
E a filha  a quem a pedir

Se chover em Maio
Carregará el-rei o carro,
E em Abril o carril,
E entre Abril e Maio
O carril e o carro

Em Abril
Vae onde hasde ir
E torna ao teu covil

Em Abril
Vae onde hasde ir
E volta a tue cubiculo dormir

Em Abril
Vae a velha onde quer ir
E a sua casa vem dormir

Em Abril
Queima a velha o carro e o carril

Abril frio e molhado
Enche o celleiro e farta o gado

Em Abril,
Queijos mil,
E em Maio
Tres ou quatro

Entre Abril e maio
Moenda para todo o anno

Quem me vir e me ouvir,
Guarde pão para maio
E lenha par Abril

Por S. Marcos
Bogas e saccos

Saveis por S. Marcos
Enchem os barcos

Solhos d’Abril,
Abre a mão
E deixa-o ir

Fica-te embora mundo,
Deixar-me-lhas Abril e Maio

Chuvinha d’Ascenção
Das palhinas dá pão

 

 

S. Marcos   25 de Abril

 

 

Fonte :

Revista Lusitana, vol II, Livraria Portuense, 1890-1892, pp129-131

Tag(s) : #Antigamente, #Tradições, #Adagios

Partager cet article

Repost 0